Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

Admito.

Não sou grande fã de falar ao telefone. Deixei de apreciar este "desporto", já não tenho paciência para estar todos os dias horas ao telefone.

Não é que não goste de falar com as pessoas mas prefiro fazê-lo face to face se possível.

Tenho de admitir que gosto mais de mandar mensagens.

Quem diz a verdade não merece castigo, não é?

{#emotions_dlg.sarcastic}

Com os nervos em frangalhos.

Recebi um email da direção da escola a dizer que quer falar comigo por causa da minha disciplina. Assim, a seco, sem cumprimentos ou assinatura. Isto foi o suficiente para me arrasar com os nervos e com o dia. E para me deixar a tremelicar até ao dia da conversa. Devem vir aí críticas sem nexo, coisas comezinhas que só ali se admitem. Sinto-me com o estomago embrulhado e como se tivesse lavado um soco. 

{#emotions_dlg.confused}

Conversa caricata.

Como disse ontem, fui ao "hospital" com o meu passe para tratar o chip. Tal como suspeitava, o chip já está cadáver (lol) e não há nada a fazer a não ser o funeral. Já tenho a papelada necessária para doptar outro passe com um chip zero quilómetros.

 

Apanhei a camioneta de regresso a casa e duas ou três paragens à frente, entram duas senhoras de muletas. Sentam-se à minha frente e começam a falar uma com a outra acerca da fisioterapioa que estão a fazer, das suas maleitas e respectivos progressos. A determinada altura começam a falar de massagens e exercícios que faziam.

 

Uma delas, a mais velhota,  começa a contar à outra:

 

- Olhe quando ela me começa a fazer massagem e me toca aqui (tocou na perna), dá-me cá uma câmara...!

 

{#emotions_dlg.sarcastic}{#emotions_dlg.lol}{#emotions_dlg.happy}

Virei a cara para a janela e só não me escangalhei a rir porque parecia mal. Mas que o meu inner self se riu a bandeiras despregadas, garanto que riu! 

Os Estudantes De Hoje.

 

Conversa entre dois estudantes, com idades entre os 15 e 17 anos, que vinham comigo na camioneta:

 

Estudante 1: Então segunda-feira vais à escola?

 

Estudante 2: Não, vou-me baldar... vou gozar o meu último dia de férias em grande!

 

Estudante 1: Eu ainda não sei se vou... é melhor gozares o último dia... é que depois nem vais ter tempo de coçá-los...

 

Estudante 2: Olha não vou...!!! Coço-os durante as aulas...

 

E ainda andam por aí a dizer que os estudantes não fazem nada! Com o novo Estatuto do Aluno, os alunos ficam tão ocupados, mas tão ocupados, que para os pobrezinhos os coçarem... só mesmo enquanto a professora explica quanto é 2 mais 2...! {#emotions_dlg.lol}

 

Just kidding!

 

Não Me Toque Que Me (Des)Afina!

  

Reconheço que sou um bocadinho comichosa com algumas coisas. Sou assim desde miúda e por mais que tente moderar estas “comichões”, existem algumas que não tenho conseguido… mesmo!

 

E uma dessas “comichões” irrita-me solenemente, faz-me chegar aos píncaros dos meus nervos, do meu stress, ou seja lá o que for!

 

Sabem aquelas pessoas que quando estão a falar connosco, nos estão sistematicamente a tocar nalguma parte do corpo, geralmente no braço? Ai que neeeervos!

Desculpem-me mas ainda não percebi qual o intuito daquele toque insistente e irritante.

 

Será para chamar à atenção? Será para acalmar? Será para ver quanto tempo uma pessoa resiste sem explodir? Será para passar energia? Ou será, ainda, para ver se a pessoa ainda está ali?

Pois em mim, o efeito que tem é o de querer zarpar dali imediatamente, em velocidade warp. Para além disto, exalta-me os nervos de uma tal maneira que até fico cheia de urticária e de pêlos em pé! E quanto a energia… se passarem um fósforo por mim, naquela altura, até faz labareda! Ah mas não sou eu a responsável pelos incêndios aqui do nosso pequeno país Tuga…

 

Mas o pior é que essas pessoas não se enxergam, ou pelo menos fingem. No meu caso, a tendência é para ir recuando para me afastar do toque dessas pessoas. Esses toques são ferros em brasa a tocar nos meus braços. Mas o pior é que quanto mais recuo, mais elas avançam para cima de mim com medo que eu fuja!

 

Sacudo os braços conforme me tocam e a minha voz parece possuída por uma raiva qualquer… mas o que continuo a achar mais incrível é a curta visão periférica e até central dessas pessoas, que são incapazes de ver o quão esse gesto irrita os outros.

 

É que nem todas as pessoas têm o dom de ter um toque agradável, balsâmico e calmante. Não. Isto não é um dom que se adquira, nasce connosco. E muito menos virá de pessoas que têm duas caras e que funcionam por interesses pessoais. Nevertheless (amo esta palavra!) consideram-se o supra sumo não sei do quê e - agora esta é demais! – julgam-se superiores aos outros quando elas próprias não passam de parasitas da sociedade!

 

Deixo aqui um conselho aos eventuais leitores que possam ter este “tique”: evitem o toque enquanto estão a falar com alguém. Tentem controlar-se. É que isso é tão irritantezinhooooo….

 

 

Um Dia Especial

 

Um dia solarengo

De calor ameno e convidativo,

Perfeito para um passeio à beira Tejo.

Uma amiga, dois dedos de conversa

E muita nostalgia nos corações.

O tempo passa mas tudo continua como ontem.

Lágrimas, sorrisos e esgares de conformismo,

Encontros, desencontros e a vida a correr.

Obrigada pela surpresa Amiga.

 

 

Na Cama Com…

                                         

 

… uma boa companhia. As noites estão frias e chuvosas. Apetece estar enfiada na cama, confortável e aconchegada, partilhando o espaço com um companheiro simpático e quentinho.

 

Nas últimas noites, uma vez que estou sozinha, tenho recorrido com frequência a este amigo. É uma forma de compensar a solidão, obtendo algum prazer… é incansável, rende-se às nossas vontades e nunca reclama. Seja no trabalho ou por prazer, posso sempre contar com ele.

 

Interage connosco horas a fio, sempre com uma performance exemplar, mostrando-nos aquilo que mais desejamos.

Não o partilho com ninguém. É meu, único e exclusivamente meu.

Tem o formato ideal, ajusta-se na perfeição às minhas pernas, usa a minha cor preferida e é agradável ao toque…

 

Espero que esta minha confissão de traição não vos tenha chocado. É assim que traio o N. quando ele cá não está. Tenho de compensar a sua ausência, certo? Por isso, passo as noites na conversa no computador!!! Estavam a pensar o quê?!

 

Conversas sobre namorados...

 

- Também podes comprar o passe...

- Só vou comprar o passe quando tiver namorado... e é se ele morar longe!

- Mas tu já tens namorado!

- Não tenho nada!

- O Pedro está sempre a oferecer-te prendas!

- Só posso ter namorado quando tiver 19 anos... não, quando tiver 17 anos.

- Eu ainda não tenho namorado... tenho muito tempo...

Esta conversa foi passada com a I., uma menina lindíssima que apanha todos os dias o autocarro comigo, e uma prima dela que hoje a acompanhava.

Foi hilariante. Pareciam duas miúdas grandes. As pessoas iam todas embevecidas a olhar para elas e a achar imensa graça à sua conversa.

Elas estavam a falar muito seriamente uma com a outra. Imaginem lá a cena passada entre duas miúdas uma com 5 anos e a outra com 6...